Abaixo seguem algumas dicas de segurança e cuidados para selecionar um fluído refrigerante que tenha procedência.

Desde 1999 todo fluído refrigerante que entra no Brasil é importado, desta forma é muito importante o cliente avaliar:

Utilize produtos de procedência conhecida.
Quando em Dúvida, exija certificado de análise do lote do produto. (atualizado)
Inspeção visual da embalagem do fluido refrigerante. (grafia incorreta, caixas não originais, etc...)
Lacre da válvula não violado.
Etiqueta com nome do fabricante, origem, caracteristicas, composição, razão social, endereço, telefone, CNPJ do fabricante, número do lote e peso líquido. Lembre-se de que todas essas informações devem estar em português.
Fique atento: Peso indicado na embalagem !

 Cronograma estabelece congelamento da produção em 2013 e o mercado de refrigeração e ar condicionado se prepara

De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, o Brasil se coloca diante de um novo desafio: zerar a produção, comercialização e importação dos hidroclorofluorcarbonos (HCFCs). Usados como fluido refrigerante em supermercados, aparelhos de ar condicionado e em geladeiras, os HCFCs surgiram como alternativa aos CFCs por apresentarem uma capacidade 50% menor de destruição da Camada de Ozônio, no entanto, são grandes contribuidores para o aquecimento global.

Para isso, foi criado o Programa Brasileiro de Eliminação de HCFCs, com objetivo de cumprir o cronograma para a eliminação dos HCFCs, que estabelece o congelamento dos níveis de produção e importações em 2013, sua redução em 10% até 2015, e o banimento total em 2040.

O cenário de substituição do R-22 na indústria de refrigeração e condicionamento de ar aponta para uma série de fluidos alternativos. Clique aqui e saiba mais sobre esses produtos que preservam a camada de Ozônio e asseguram um desempenho de alta qualidade.

Mantenedores

Topo