Riscos dos sistemas de refrigeração

As instalações frigoríficas, por trabalharem com refrigerantes com características físico-químicas especiais e em condições de temperatura, pressão e umidade diferenciadas do habitual, apresentam riscos específicos à segurança e saúde, relacionada com o tipo de refrigerante utilizado, bem como com as instalações e equipamentos.

As maiores preocupações são vazamentos com formação de nuvem tóxica de amônia e explosões. Causas de acidentes são falhas no projeto do sistema e danos aos equipamentos provocados pelo calor, corrosão ou vibração, assim como por manutenção inadequada ou ausência de manutenção de seus componentes, como válvulas de alívio de pressão, compressores, condensadores, vasos de pressão, equipamento de purga, evaporadores, tubulações, bombas e instrumentos em geral. É importante observar que mesmo os sistemas de refrigeração mais bem projetados podem apresentar vazamentos, se operados e mantidos de forma precária.

São frequentes os vazamentos causados por: abastecimento inadequado dos vasos; falhas nas válvulas de alívio, tanto mecânicas quanto por ajuste inadequado da pressão; danos provocados por impacto externo por equipamentos móveis, como empilhadeiras; corrosão externa, mais rápida em condições de grande calor e umidade, especialmente nas porções de baixa pressão do sistema; rachaduras internas de vasos que tendem a ocorrer nos/ou próximo aos pontos de solda; aprisionamento de líquido nas tubulações, entre válvulas de fechamento; Excesso de líquido no compressor e; excesso de vibração no sistema, que pode levar a sua falência prematura.

Considerações básicas de segurança

A lista a seguir indica os possíveis danos associados aos sistemas de refrigeração:

a)    Efeito direto de temperaturas extremas, por exemplo:

  • Materiais quebradiços sob baixas temperaturas;
  • Congelamento do fluido intermediário (água, salmoura ou similar);
  • Tensão térmica;
  • Mudanças de volumes devido às mudanças de temperatura;
  • Efeitos danosos às pessoas devido às baixas temperaturas, ou superfícies quentes.

b) Pressão excessiva, por exemplo:

  • Aumento de pressão no condensador causada por resfriamento inadequado; ou por pressão parcial de gases não condensáveis; ou por acúmulo de óleo e de refrigerante líquido;
  • Aumento de pressão do refrigerante devido ao intenso aquecimento externo, como por exemplo, ao fazer degelo em um evaporador; ou devido à alta temperatura ambiente quando o equipamento estiver parado;
  • Expansão do refrigerante líquido em recipiente fechado sem a presença de vapor, causado por um aumento da temperatura externa;
  • Fogo externo ou aquecimento causado por objetos próximos ao sistema.

c) Efeito direto de refrigerante em sua fase líquida, por exemplo:

  • Sobrecarga ou “inundação” do equipamento;
  • Presença de líquido nos compressores causada por golpe de líquido;
  • Perda de lubrificação devido à emulsificação do óleo;

 d) Fugas de refrigerantes, por exemplo:

  • Fogo;
  • Explosão;
  • Toxicidade;
  • Efeitos cáusticos;
  • Congelamento da pele;
  • Asfixia;
  • Pânico;

 

Paulo Neulaender

Fonte : Alessandro Silva

Entre para postar comentários

Mantenedores

Topo